Águas do Gandarela

Movimento em prol da criação do Parque Nacional das Águas do Gandarela

Serras irmãs: CARAÇA E GANDARELA - Mineração ameaça Caraça

Mineração ameaça Caraça

Manifesto em defesa desta serra, em MG, quer ver cumprido seu tombamento

A omissão do Estado de Minas Gerais, segundo manifesto em prol da Serra do Caraça, está deixando de proteger esse patrimônio cultural e ambiental mineiro, já tombado para fim de conservação, além de tê-lo declarado unidade de conservação na modalidade de Monumento Natural (mesmo não sendo ainda delimitadas as respectivas áreas de proteção). Nas duas solicitações, elas estão embasadas, respectivamente, nos art. 84 e do art. 251 ADCT da Constituição do Estado de Minas Gerais.

 

O último artigo, inclusive, determina: “A exploração de recursos hídricos e minerais do Estado não poderá comprometer os patrimônios natural e cultural, sob pena de responsabilidade, na forma da lei”. Na prática, não é o que se vê. O Santuário do Caraça (http://www.santuariodocaraca.com.br/inicial.php), localizado na região, está sofrendo sérias ameaças de mineradoras locais. Em outras palavras, elas pretendem não só minerar no seu entorno, como até construir um mineroduto, utilizando-se das águas das cachoeiras.   

 

Em função disso, a sociedade civil se organiza para barrar o provável estrago (diga-se, mais um entre os inúmeros na área ambiental deste País). Quem quiser fazer coro ao movimento ou mesmo se preocupa com os rumos do Meio Ambiente, pode participar acessando o abaixo-assinado disponível na página http://www.santuariodocaraca.com.br/cultura/abaixo_assinado_em_defesa_da_serra_do_caraca.php.

 

FONTE: Site Globo-MG - Acesse: http://eptv.globo.com/emissoras/NOT,0,0,331916,Mineracao+ameaca+Caraca+.aspx

 

XXXXXXXXXXXXXXXXXX

.Planeta Verde

Mineração ameaça água no Parque do Caraça
Nova atividade da Samarco, que já tem outorga,  pode comprometer abastecimento do Rio Conceição

Augusto Franco - Repórter - 7/02/2010 - 21:11

FONTE: Jornal Hoje em Dia: Acesse http://www.hojeemdia.com.br/cmlink/hoje-em-dia/planeta-verde/minerac-o-ameaca-agua-no-parque-do-caraca-1.75256

 

Moradores da região do Caraça estão apreensivos com a ameaça de ficarem sem água devido ao avanço da atividade mineradora. No distrito de Brumal, no município de Santa Bárbara, Região Central do Estado, a captação de águas no Rio Conceição, um dos afluentes do Rio Santa Bárbara, pode estar em risco. Em breve, um grande mineroduto construído pela mineradora Samarco vai captar no rio água para a ampliação de sua planta.

 

A outorga do uso de água já foi concedida, mas a audiência pública para esclarecer o que será o empreendimento para a população aconteceu em Ouro Preto, onde a mineradora está implantada, o que acabou atiçando a desconfiança entre os moradores do pequeno povoado do Brumal. Para tentar explicar melhor os detalhes do empreendimento, a Samarco já marcou outra reunião, na comunidade, que deve acontecer no próximo dia 4 de março.

 

Antes disso, moradores da cidade e representantes de uma ONG – o Grupo Ambiental de Santa Bárbara (Gasb) – organizaram um abaixo-assinado e apresentaram um pedido de embargo dos andamentos do licenciamento ambiental ao Ministério Público local. A medida é um reflexo do medo da população quando o assunto são novas minerações na região. Assentada sobre uma série de amplas jazidas minerais, especialmente de minério de ferro, a área, em volta da Serra do Caraça, tem um histórico de passivos ambientais. 

 

A situação fica mais clara quando se passa pela rede de pequenas estradas de terra que cortam a Serra da Gandarela, saindo de Caeté e chegando a Cocais. No caminho, várias pequenas minerações desativadas, aparentemente há muitos anos, se assemelham a buracos de bombas atiradas do ar, com pilhas de terra e voçorocas. As mineradoras em atividade, no entanto, seguem um rigoroso controle ambiental, fruto de uma legislação mais rigorosa, que vem sendo implementada desde os anos 1990.

 

Os bons exemplos dos últimos anos, no entanto, não foram suficientes para deixar os moradores completamente tranquilos. Atualmente, além da mineração da Samarco, que deve retirar do solo de Ouro Preto 9,5 milhões de toneladas de minério por ano, a partir do final de 2013, um outro investimento da Vale, chamado Projeto Apolo, vem provocando acalorados debates.

 

Ainda em fase de análise ambiental, o novo empreendimento deve ser responsável pela extração de 24 milhões de toneladas de minério por ano. Para retirar minério do chão, é preciso água. A jazida está na divisa dos municípios de Caeté, Raposos e Rio Acima, uma área que também vem sendo analisada pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio), braço do Ibama, para a criação do Parque Nacional da Serra da Gandarela.

“Uma parte da água do Rio Conceição, que depois vira o Rio Santa Bárbara, vem da região da Gandarela, que é uma área bastante extensa. E com essa coisa da captação de água, aqui, bem na nossa porta, não estamos tranquilos. Não dá para saber o que vai acontecer com as nossas águas”, afirma Dilce Amaral Margarida Mendes, moradora de Brumal e uma das organizadoras do abaixo-assinado contra a captação de água no local. “Queremos entender melhor o que vai acontecer. Queremos garantias”.

Para Roberto Guedes Magalhães, secretário do Grupo Ambiental de Santa Bárbara (Gasb), a falta de informações sobre a captação de água é “suspeita”. Além disso, o Rio já vem sofrendo as consequências da ação humana há muitos anos. “O Rio Conceição e o Rio Caraça estão assoreados e poluídos”, garante.

 

Como principal exemplo, o ambientalista aponta o balneário Clóvis Faria, uma espécie de clube aberto ao público, com direito a barraquinha e quadra, localizado em um remanso do rio que forma uma praia. Nos anos 80, o local ficava cheio nos finais de semana. “Tinha pontos que a gente subia na árvore e pulava, no rio, sem perigo nenhum de se machucar. O rio era fundo, e muito mais limpo. Hoje, dá para atravessar a pé, sem molhar nem a camisa”, lamenta.

Fontes de água cada vez mais afastadas
 

Para o engenheiro civil, especialista em recursos hídricos e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Mário Cicareli Pinheiro, a preocupação da população, de que vá faltar água, não tem bases técnicas. O professor explica, no entanto, que a tendência é que as fontes de água para as minerações fiquem cada vez mais afastadas dos pontos onde o minério é explorado.

 

A unidade de Germano, explica, é um exemplo do que deve acontecer daqui para frente. Segundo ele, o aqueduto que levará água do Rio Conceição, em Santa Bárbara, para a unidade de Germano, em Ouro Preto, é a maior do Estado, até hoje. A distância é de 35 quilômetros.

 

“A legislação ambiental de Minas Gerais é a mais restritiva do Brasil neste sentido. Os limites impostos para a outorga de águas são baixos e com prazo definido. Além disso, caso a água falte, a lei determina que o abastecimento humano tenha prioridade, e, assim, a captação de empresas é automaticamente interrompida”, explica o professor, especialista na região.

Dentro dos critérios adotados pela legislação do estado para a outorga de água, o que mede a quantidade de água que pode ser retirada de rios e córregos recebe o nome de Q7 10. A sigla mede os sete dias em que se registrou o menor volume de água no corpo d’ água nos últimos 10 anos. O cálculo é feito por estimativa, mas, geralmente, mostra um volume muito menor que o que corre nos leitos normalmente. A legislação ambiental do Estado só permite que sejam retirados do ri o um máximo de 30% deste total.

 

No Rio Conceição, o Q7 10 é de 0,885 metros cúbicos por segundo, que equivalem a oito caixas de água de mil litros retiradas a cada segundo do leito. A outorga de água concedida pela Secretaria de Meio Ambiente dá direito à Samarco de retirar do Rio 0,569 metros cúbicos por segundo, ou cinco caixas de água e meia a cada segundo, que vão em um tubo de água.

Para o presidente da Gasb, Luciano Arcanjo de Melo, o volume é suficiente para inviabilizar outros empreendimentos no município. “A água do nosso rio vai para Ouro Preto, e sabemos de uma outra mineração, que tinha planos de ampliação aqui na cidade, inclusive com a geração de 600 empregos, que ficou inviabilizada graças a isso”, afirma o ambientalista, que pede medidas compensatórias para o município.

Volume retirado abaixo do limite
 

De acordo com o gerente de Meio Ambiente da Samarco, Rodrigo Dutra Amaral, o processo de licenciamento ambiental do mineroduto e da nova unidade concentradora na planta de Germano, em Ouro Preto, vem acontecendo dentro dos prazos normais, e a empresa está em constante contato com a comunidade. Na última quinta-feira, representantes da empresa realizaram reunião com alguns moradores de Santa Bárbara e Brumal. Uma reunião pública, aos moldes da audiência pública realizada em Ouro Preto, em novembro, está marcada para o próximo dia 4 de março.

 

“Realizamos a audiência em Ouro Preto, onde está a mina, mas disponibilizamos um ônibus para os moradores de Brumal que quiseram participar”, destaca o gerente. Ele revela ainda que, mesmo antes da reunião, a empresa já adequou seu projeto para causar o mínimo possível de impacto, e que a empresa vai captar cerca de 30% a menos do que a outorga de água permite.

 

“O melhor ponto de captação para a empresa seria exatamente na localidade de Clóvis Faria, mas como reconhecemos que ali há um ponto com capacidade turística que pode se renovar em alguns anos, talvez até com ajuda da Samarco, resolvemos colocar nossa captação cerca de 800 metros mais abaixo do rio”, destaca.

A chefe da Superintendência Central Metropolitana (Supran), Scheila Samartini Gonçalves, acredita que a preocupação dos moradores é infundada, e que o volume licenciado não vai afetar a região. A Supran é órgão da Secretaria de Estado de Meio Ambiente responsável pela análise dos licenciamentos, que há cerca de dois anos é feita de forma integrada. 

Segundo ela, a área é rica em córregos e rios, e, portanto, generosa em fontes de água. “Estamos olhando cada processo de perto exatamente para que nenhum corpo d’ água seja afetado. Trabalhamos para que o desenvolvimento mineral, uma das maiores vocações do nosso Estado, que o tem inclusive no nome, possa conviver em harmonia com o desenvolvimento ambiental. Estamos o tempo todo em cima desta navalha”, avalia.

A gestora garante também que a ampliação da unidade de Germano, da Samarco, e a consolidação do projeto Apolo, da Vale, não sobrecarregarão o fornecimento de água em Santa Bárbara. O principal motivo é que os projetos preveem captação de águas em bacias de rios diferentes. A Samarco vai captar na Bacia do Rio Piracicaba, que segue no sentido sul, enquanto que a unidade da Apolo, na Bacia do Rio das Velhas, do outro lado da Serra da Gandarela.

Outro ponto que deve ser destacado é que, geralmente, as usinas de mineração reaproveitam a maior parte da água em seus processos. “No caso do mineroduto, por exemplo, apenas 15% da água retirada do rio vai junto com a lama até o Espírito Santo. O restante fica recirculando no sistema, com perdas mínimas. Em comparação com outras atividades, a mineração gasta relativamente pouca água”, assegura.

 

Moradores questionam vantagens
 

Segundo o presidente da Associação Comunitária de Brumal, Geraldo Nazário, a Samarco falou sobre o projeto em uma reunião realizada na própria comunidade. “Todo mundo ficou sabendo, e uma minoria está preocupada. Para nós, da associação, o projeto pode trazer benefícios, geração de empregos e parcerias, como a qualificação de pessoal em cursos ou coisas assim”, destaca.

 

Menos empolgada com as novidades do empreendimento, Elenice Apóstolos, que há 22 anos reside em uma das casas da rua principal da comunidade do Brumal, acredita que “nada vai mudar”. “É sempre assim. Vem a mineradora, eles dizem que vão fazer, vão acontecer, vão empregar, e nada. Nestes anos todos que moro aqui, nunca vi nenhuma melhoria que tenha vindo dessas mineradoras. Só vi o rio mais raso e mais poluído”, assegura.

 

Além disso, afirma a senhora, mesmo com várias promessas de diferentes empreendimentos no passado, o posto de saúde local se encontra em estado lastimável, e a escola funciona unicamente com recursos da Prefeitura. “É tão barato para estas empresas dar uma melhorada, oferecer cursos de formação. Agora, se até hoje não tem, como é que vamos acreditar que mudou alguma coisa?”, questiona. 

 

Para a sobrinha de dona Elenice, a estudante Mariana de Fátima Carioca, 17 anos, além de poluição, as mineradoras têm outro transtorno paralelo. “Cada mineração que abre é mais peão para vir aqui encher a cabeça da gente, beber e fazer arruaça na rua”, reclama a jovem.

Indiferente ao assunto e morador de Barão de Cocais, o técnico em mineração Aguinaldo Rodrigues, 29 anos, aproveitou a terça-feira de folga para dar suas braçadas no Rio Conceição, no ‘clube’ Clóvis Faria. “Acho que as mineradoras hoje limpam mais do que poluem. Eles têm programas de educação ambiental, reciclagem, coisas que não tinha por aqui antes. Além disso, a lei é ‘braba’. Ninguém é louco de sair por aí sujando, igual acontecia antes”, avalia.

Os estudantes Rodrigo de Oliveira, de 16 anos, e Everton Evandro Lopes, também de 16, que aproveitavam o fim da tarde quente do mesmo dia para se refrescarem no Rio Caraça, 800 metros rio acima, também se mostravam despreocupados com a nova mineração. 

 

“Venho nesse rio todo dia, sem faltar nenhum. Tem muita água aqui. Tem muita nascente, não acaba não. Quando começar a faltar eu me preocupo. Por enquanto, acho que não precisa”, disse o jovem Rodrigo, entre um mergulho e outro, feitos na pequena barragem erguida pela Copasa para a captação das águas que abastecem o distrito. Para seu colega, Everton, que no dia só entrou até os joelhos, é bom ficar atento ao que vai acontecer, mas, para acabar o rio, ainda pode-se retirar muita água.

 

Procurados ao longo da semana, o prefeito de Santa Bárbara, Toninho Timbira, e o secretário de Meio Ambiente, Luiz Fernando Novais, não retornaram as várias ligações da reportagem e a um e-mail encaminhado na quarta-feira comentar o assunto.

 

Atualizado pela última vez por Maurílio Nogueira 9 Fev, 2011.

NÃO TEMOS NADA A VER COM O INSTITUTO GANDARELA

Jornal O GANDARELA

Leia, divulgue, baixe o arquivo completo do JORNAL 4 - Janeiro/2014:

 O GANDARELA nº4 .pdf

Nosso agradecimento pelo apoio do Fundo Socioambiental CASA para a edição deste jornal, assim como do JORNAL  nº 3.

Abaixo-Assinado

Seminário UFMG sobre o Gandarela e Caraça

VEJA OS VIDEOS DO SEMINÁRIO.

http://seminariogandarela.blogspot.com/

Últimas atividades

Maurílio Nogueira postou um evento
Miniatura

Semana das Águas em Parque Municipal de Belo Horizonte

22 março 2015 de 9 a 16
O Movimento Gandarela também estar participando cum um stand. Participe conosco.Traga seu cartaz. Semana das Águas 2015. Compartilhem essa ideia.  Em Breve, aguardem mais informações!Ver mais...
sexta-feira
Maurílio Nogueira postou fotos
sexta-feira
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Facebooksexta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

Vem aí. Reserve a data

Projeto Manuelzão

Vem ai!!!!!!!!!!!!!!!!! Participe conosco. Traga seu cartaz. Semana das Águas 2015. Compartilhem essa ideia. Aguardem mais informações!

Facebooksexta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

Salve a onça pintada da Serra do Gandarela. Criaram o Parque Nacional próximo a BH, mas deixaram de fora do parque a própria Serra do Gandarela, o habitat da onça, com suas centenas de nascentes e mananciais importantes para o abastecimento de água da população.

Minério Não se Bebe

A…

Ver mais...
Facebooksexta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

Carolina Herrmann recebeu o título de Doutora in memorian pela UFMG.

Em Defesa dos Territórios Frente a Mineração

CAROLINA HERRMANN ACABOU DE RECEBER O TÍTULO DE DOUTORA IN MEMORIAN PELA UFMG Hoje, 26 de fevereiro de 2015 estava marcada a defesa do doutorado da nossa querida companheira Carolina Herrmann. Um…

Ver mais...
Facebooksexta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

"CAROLINA HERRMANN ACABOU DE RECEBER O TÍTULO DE DOUTORA IN MEMORIAN PELA UFMG Hoje, 26 de fevereiro de 2015 estava marcada a defesa do doutorado da nossa querida companheira Carolina Herrmann. Um trabalho lindo, intitulado: - "O espaço da resistência na Serra do Gandarela: instrumentos, contraposições e a necessária utopia" - na Escola de Arquitetura, no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (NPGAU)…

Ver mais...
Facebooksexta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

Assista a transmissão da defesa de tese de doutorado de Carolina Herrmann de Souza Coelho (In memorian) direto da Escola de Arquitetura da UFMG. Titulo da tese O Espaço da Resistência na Serra do Gandarela: Instrumentos, contraposições e a necessária utopia. Agradecimentos ao coletivo Maria Objetiva que esta transmitindo via web. https://www.youtube.com/watch?v=uplz3PQzlsQ

Defesa de…

Ver mais...
Facebookquinta-feira · Responder
Maurílio Nogueira atualizou um evento
Miniatura

WORKSHOP “ Serra do Gandarela: o papel da sociedade na salvaguarda de uma área a ser protegida” em FACE / UFMG - Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG

16 setembro 2013 às 17:30 a 19 setembro 2013 às 19
Venha conhecer mais sobre a Serra do Gandarela e a importância de protegermos um dos últimos santuários naturais ainda preservados no entorno de Belo Horizonte, fonte de alguns dos principais mananciais de água que garantem o abastecimento de uma população de mais de cinco milhões de habitantes em toda a Região Metropolitana de BH e que está seriamente ameaçada por mais um gigantesco projeto de mineração para exportação da Vale SA.  O Workshop "Serra do Gandarela: o papel da sociedade na…Ver mais...
quinta-feira
Maurílio Nogueira postou uma nota

Criação do Parna Gandarela perdeu chance de ser modelo

Texto de  João Madeira  - Biólogo e doutor em Ecologia. Trabalha como analista ambiental do ICMBio. Neste artigo, não fala em nome do ICMBio. Se há algo que vem se tornando um consenso mundial em termos de gestão de áreas protegidas é a…
quinta-feira
Sitiantes Rio Acima postou um status
"Pedimos a colaboração para ajudar a encaminhar o apelo a quem pode contribuir com o CALÇAMENTO DESTE TRECHO de RIO ACIMA ITABIRITO."
quinta-feira
Posts no blog por Sitiantes Rio Acima

Calçamento e preservação do único trecho intacto da Estrada Real, já!

Calçamento da Estrada Real do trecho de Rio Acima a Itabirito, Amigas e amigos,Está passando da hora o DER exigir da JALK CONSTRUTORA, ou vice e versa, começar a fazer o calçamento da Estrada Real do trecho de Rio Acima a Itabirito, cuja homologação foi publicada no Diário Oficial MG em abril de 2013É preciso entender que não estamos falando somente pelo lado pernicioso do desastre ambiental – o que ja seria um absurdo. Mas o que o asfalto provocará? Vai acabar com o ecossistema em todo o…Ver mais...
quinta-feira
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

Por que a parte da Serra da Gandarela que é mais essencial para o abastecimento de água da Região Metropolitana de BH foi excluída da demarcação do Parque?

Cadê a água daqui?

Por que a parte da Serra da Gandarela que é mais essencial para o abastecimento da Região Metropolitana de…

Ver mais...
Facebookquarta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

Conceição: Guarde nos Olhos IV

youtube.com

Vídeo realizado em setembro de 2014 em Conceição do Mato Dentro, que trata da degradação sócio cultural e humana sofrida pelo nosso povo frente a ação brutal...

Facebookquarta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

E mais: não dá mais pra continuar deixando as minerações destruírem os próprios aquíferos, causando o rebaixamento do lençol freático e a extinção de nascentes, como já ocorre em vários pontos da região central de Minas Gerais. E agora ainda vêm com a onda de minerodutos, tirando milhões de litros de água pura por hora de regiões já carentes para levar o…

Ver mais...
Facebookquarta-feira · Responder
Ícone do perfilSalve a Serra do Gandarela via Facebook
Miniatura

Documentário produzido pelos alunos de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Vale - Tudo: A Mineração no Brasil

youtube.com

Esta obra audiovisual, produzida a partir de materiais de arquivo, foi realizada pelos alunos de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), na ...

Facebookterça-feira · Responder

Mensagens de blog

Calçamento e preservação do único trecho intacto da Estrada Real, já!

Calçamento da Estrada Real do trecho de Rio Acima a Itabirito, 
Amigas e…
Continuar

Postado por Sitiantes Rio Acima em 24 fevereiro 2015 às 16:23

Circuito Águas do Gandarela

Circuito Águas do Gandarela



O projeto “Circuito Águas do Gandarela: preservação, turismo, trabalho e renda” foi realizado pelo Movimento Artístico Cultural e Ambiental de Caeté (MACACA), que integra e contou com o…

Continuar

Postado por Pedro de Filippis em 26 março 2014 às 22:20

HORAÇÃO AMBIENTAL

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉUS

PRESERVADAS SEJAM NOSSAS MONTANHAS

NÃO LEVE DE NÓS O MEIO AMBIENTE

ASSIM DE MINAS GERAIS, COMO DO BRASIL.

O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAÍ…

Continuar

Postado por CARLOS ALBERTO ANTUNES DO CARMO em 10 janeiro 2013 às 23:47 — 2 Comentários

S.O.S MONTANHA$ E ÁGUA$ DE MINA$ GERAI$

SE EU ME CALAR AS MONTANHAS GRITARÃO!!!!!!!!

SALVE O POVO DE MINAS!!!!!!!

300... ANOS DE HISTÓRIAS

MINAS É OURO, É TESOURO

MINAS É MONTANHA

É HISTÓRIA É MEMÓRIA

NO MEIO DA GENTE

PASSADO PRESENTE…

Continuar

Postado por CARLOS ALBERTO ANTUNES DO CARMO em 10 janeiro 2013 às 0:45 — 1 Comentário

A GANANCIA ESTA DESTRUINDO O BRASIL.

 SENHOR …

Continuar

Postado por Eula olimpio em 14 dezembro 2012 às 13:09

QUESTÃO POLÍTICA

O DNPM produziu o MAPA PREPARADO SOBRE OS AUSPÍCIOS DO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL-ESTADOS UNIDOS, de 1962 [Arquivo Público Mineiro - link para visualização <…

Continuar

Postado por José Bizzotto Ramos em 6 setembro 2012 às 10:11 — 2 Comentários

Vamos salvar o nosso planeta da ganância financeira

Olá Pessoal?!

Vamos salvar o nosso planeta da ganância financeira? O homem na ânsia do progresso esqueceu-se do verde, do respeito pela natureza, pelas gerações futuras e também pela sua própria sobrevivência. Será que num futuro bem…

Continuar

Postado por Rosilene de Lima Campolina em 23 junho 2012 às 17:45

Deixe o pouquinho que sobrou prá nós.

 

Deixo aqui o meu protesto pela desenfreada devastação que mineradoras estão fazendo na região de Acurui, municipio de Itabirito MG. A agressão covarde e desenfreada já passou dos limites.

Deixem o pouquinho que sobrou prá…

Continuar

Postado por Aurelio Carlos Sena e Silva em 29 maio 2012 às 12:34

Grupos

Águas do Gandarela é uma rede social

© 2015   Criado por Augusto Barros.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço